Transição acusa Bolsonaro de não fornecer cestas básicas a indígenas

Postagens Recentes

3/recent/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Ad Code



Transição acusa Bolsonaro de não fornecer cestas básicas a indígenas


Técnicos da equipe de transição apontam omissão do governo Bolsonaro para garantir cestas básicas a indígenas, apesar da verba disponível

Porto Velho, RO - O Grupo Técnico (GT) de Desenvolvimento Social e Combate à Fome da Transição aponta que o governo de Jair Bolsonaro (PL) tem descumprido decisões judiciais para fornecer cestas básicas a povos tradicionais no país.

“O orçamento da Ação nº 2.792 (Cestas Básicas) vem sendo composto basicamente por créditos extraordinários, e há sistemático descumprimento de decisões judiciais de fornecimento de cestas para famílias indígenas e quilombolas”, assinala o GT, em ofício enviado ao economista Aloizio Mercadante, coordenador dos grupos técnicos do Gabinete de Transição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

De acordo com o documento obtido pelo Metrópoles, o governo federal também não tomou providências para utilizar recursos disponíveis desde junho, e pode deixar populações vulneráveis sem alimentos nos primeiros meses do próximo ano.

“O orçamento previsto para 2023 no PLOA [Projeto de Lei Orçamentária Anual] enviado ao Congresso, R$ 18,3 milhões, é insuficiente para fazer frente às demandas acumuladas para fornecimento de cestas para famílias em situação de insegurança alimentar e em emergência, e o Ministério [da Cidadania] não executará neste ano os quase R$ 150 milhões ainda disponíveis na Ação nº 2.792″, acrescenta o grupo técnico no ofício.

A falta de repasse deixou a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) sem estoque de cestas básicas.

Em conversa com o Metrópoles, a economista e ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2011-2016) Tereza Campello considerou a situação como “gravíssima”, uma vez que o governo tinha recursos disponíveis desde o meio do ano para tomar providências.

A questão se torna ainda mais delicada, uma vez que os primeiros meses do ano geralmente são marcados por fortes chuvas e deslizamentos.

“O atual governo não tem desculpa para não ter tomado atitude. Nenhuma desculpa. Tinha recursos, tinha recursos humanos, tinha capacidade para fazer isso, mas não fez porque decidiu não fazer – seja por incompetência, seja para deixar armada essa bomba no colo do futuro presidente Lula”, afirma Campello, cotada para assumir o Ministério da Cidadania.

“Poderiam ter repassado os recursos para a Conab tomar providências, mas não fizeram isso. Então, soma-se um conjunto de não ações que são gravíssimas na nossa avaliação, pois podem não somente prejudicar a população, como certamente recairão com ônus enorme no próximo governo, que não terá como atuar. Na prática, estão nos impedindo de atender à população”, prossegue a economista.

Procurado, o Ministério da Cidadania não se manifestou. O espaço segue aberto.


Fonte: Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários