Kennedy: Milhares de arquivos sobre assassinato são abertos após 6 décadas pelo governo dos EUA

Postagens Recentes

3/recent/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Ad Code



Kennedy: Milhares de arquivos sobre assassinato são abertos após 6 décadas pelo governo dos EUA


Pela primeira vez, a Casa Branca determinou a liberação de milhares de documentos na íntegra sobre o assassinato do presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy (1917-1963).

Porto Velho, RO - 
Segundo a Casa Branca, com a publicação de 13.173 arquivos na internet, mais de 97% dos registros sobre o caso agora estão disponíveis ao público.

Não são aguardadas grandes revelações vindas do arquivo liberado, mas historiadores esperam ter mais detalhes sobre o dia da morte de Kennedy.

O presidente americano foi baleado enquanto desfilava em carro aberto durante uma visita a Dallas, no Texas, em 22 de novembro de 1963.

Uma lei de 1992 exigia que o governo liberasse todos os documentos sobre o assassinato de Kennedy até outubro de 2017.

Na quinta-feira (15/12), o presidente Joe Biden emitiu uma ordem executiva autorizando sua divulgação.

Mas ele disse que alguns arquivos seriam mantidos em sigilo até junho de 2023 para evitar que a identificação de alguns dados pudesse trazer prejuízos para o setor militar e de inteligência dos Estados Unidos.

Os Arquivos Nacionais dos EUA informaram que 515 documentos permaneceriam totalmente retidos e outros 2.545 documentos seriam liberados parcialmente.

A Comissão Warren, investigação realizada em 1964, concluiu que Kennedy foi morto por Lee Harvey Oswald, um cidadão americano que já havia vivido na União Soviética, e que ele agiu sozinho. Oswald foi morto no porão da sede da polícia de Dallas dois dias após sua prisão.

Encontro com a KGB no México

A morte de JFK gerou décadas de teorias da conspiração, mas na quinta (15/12) a CIA, a agência de inteligência americana, disse que nunca teve contato com Oswald e não ocultou informações de investigadores.

Especialistas no assunto esperavam que a última liberação de documentos revelasse mais informações sobre as atividades de Oswald na Cidade do México, onde ele se encontrou com um oficial da KGB, a agência de inteligência soviética, em outubro de 1963.

A CIA disse que todas as informações mantidas pela agência sobre a viagem de Oswald ao México já haviam sido divulgadas. "Não há novas informações sobre esse tópico nesta divulgação [de arquivos] de 2022".

Mas a Fundação Mary Ferrell, uma organização sem fins lucrativos que entrou com uma ação para exigir que o governo liberasse os arquivos, afirmou que a CIA estava bloqueando a divulgação de informações sobre o tempo de Oswald passado no México.

A fundação disse que alguns registros feitos pela CIA nunca foram acrescentados aos arquivos e, portanto, não faziam parte do lote de documentos que acabou de ser liberado.

Um documento que veio a público recentemente mostra que o presidente do México ajudou os EUA a colocar uma escuta telefônica na embaixada soviética no México sem o conhecimento de outras autoridades do governo mexicano.

Esse dado foi ocultado em versões do arquivo divulgadas anteriormente, relata a CBS News.

Maior compreensão

A Casa Branca disse que a divulgação dos arquivos forneceria ao público um entendimento melhor sobre as investigações acerca da morte de JFK.

O presidente Biden escreveu em sua decisão que "as agências empreenderam um esforço abrangente para revisar o conjunto completo de quase 16 mil registros que haviam sido divulgados anteriormente de forma editada e determinaram que mais de 70% desses registros podem agora ser divulgados na íntegra".

O governo Trump liberou milhares de documentos ao longo de seu mandato, mas reteve outros com a justificativa de que precisaria preservar a segurança nacional, apesar da lei de 1992 exigir a divulgação de todas as informações até 2017.

Em outubro de 2021, Biden liberou cerca de 1,5 mil documentos, mas disse que manteria outros fora do conhecimento do público.

Philip Shenon, ex-repórter do jornal The New York Times e autor do livro A Cruel and Shocking Act: The Secret History of the Kennedy Assassination, (Um Ato Cruel e Chocante: A História Secreta do Assassinato de Kennedy, em tradução livre) diz que os novos arquivos podem esclarecer se o governo tinha conhecimento das intenções de Oswald.

"Suspeito que possa haver informações nesses documentos que sugerem que outras pessoas sabiam antes do assassinato que Lee Harvey Oswald era um perigo e que ele pode ter falado abertamente sobre sua intenção de matar o presidente", disse ele à BBC News.

"E a questão sempre foi se as agências do governo, a CIA e o FBI [a polícia federal dos EUA], tinham alguma ideia de que esse homem era um perigo para o presidente Kennedy e, se tivessem agido com base nessa informação, poderiam ter salvado o presidente?"


Fonte: BBC News Brasil

Postar um comentário

0 Comentários