Justiça decreta prisão de Gabriel Monteiro por violação e assédio sexual


Ex-vereador já estava preso preventivamente pelo estupro de jovem depois de uma festa em casa noturna na Barra da Tijuca


Porto Velho, RO - A juíza Simone de Faria Ferraz, da 43ª vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, decretou a prisão preventiva de Gabriel Monteiro pelos crimes de violação sexual mediante fraude e assédio sexual contra seus ex-assessores. O ex-vereador e ex-policial militar já estava preso, na Cadeia Pública Joaquim Ferreira de Souza, no Complexo de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste, por estupro de uma vendedora. De acordo com o Ministério Público, ele teria forçado a jovem a praticar relações após a inauguração de uma casa noturna, em 15 de julho, na Barra da Tijuca, na mesma região.

Gabriel Monteiro foi preso no fim da tarde do último dia 7. Ele teve o mandado de prisão expedido pelo juiz Rudi Baldi Loewenkron, da 34ª Vara Criminal, que aceitou a denúncia do Ministério Público. O youtuber é acusado pelo crime de estupro contra uma vendedora de 23 anos, que teria acontecido em julho.

Em depoimento à 42ª DP (Recreio), a jovem contou que conheceu Monteiro na reinauguração de uma boate na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, e que ele a levou para a casa de um amigo no bairro do Joá, onde o crime teria sido praticado. Ainda segundo a mulher, o ex-vereador a constrangeu ao lhe apontar uma arma antes das relações sexuais — que, segundo ela e uma amiga que a acompanhava no dia, foram forçadas — e chegou a agredi-la com tapas no rosto durante o ato. Monteiro também teria se negado a usar preservativos, mesmo com os apelos feitos pela jovem.

O ex-vereador passou por audiência de custódia na tarde de terça-feira, e foi transferido para a Cadeia Pública Joaquim Ferreira de Souza, no Complexo de Gericinó, em Bangu, na manhã desta quarta-feira. O delegado Luis Armond, que comandou a investigação, contou o caso ocorreu em junho e chegou à polícia por relatos de uma testemunha.


— Foi um relato forte de uma garota nova de 22 anos com detalhes. Quando eles chegam na casa, que é de um conhecido dele, as coisas foram para uma violência. Passou a ter uma violência real mesmo, uma aterrorização com arma como se fosse um brinquedo, mas para uma jovem a travou. E começou a ter as agressões. Essa vítima procurou uma médica particular e passou por um exame. A médica deu um parecer que ela chegou muito nervosa, apesar de não querer contar o que aconteceu. Ela foi orientada a tomar a pílula do dia seguinte e foi feito um teste que demonstrou a possibilidade dela estar com uma infecção sexualmente transmissível (IST) - conta Armond.


Outros dois casos em investigação

A Polícia Civil do Rio investiga dois novos casos envolvendo acusações de crimes sexuais contra o ex-vereador e youtuber Gabriel Monteiro, preso no último dia 7 sob uma acusação de estupro. Os registros, feitos por duas mulheres, ocorreram na 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes) na terça-feira, um dia depois da prisão de Monteiro. As investigações ainda estão na fase inicial e testemunhas terão que ser ouvidas. Mas, em pelo menos um caso, a linha de investigação aponta que pode ter havido um estupro. A defesa de Gabriel Monteiro disse desconhecer as denúncias.

O caso que envolve a suspeita de estupro teria acontecido em junho de 2021. Uma assistente administrativa de 23 anos contou à polícia que já conhecia Gabriel pelas redes sociais desde 2018. No dia da festa na antiga casa que o ex-vereador alugava no Condomínio Mansões, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, ele teria se aproximado dela, a acariciado e beijado, sem autorização. Depois, a teria obrigado a fazer sexo oral.

Assustada, a mulher declarou à polícia ter bebido como forma de tentar esquecer que aconteceu. Ela afirmou que acordou no sofá, com Gabriel nu. O ex-vereador teria levantado a blusa da jovem e retirado seu short. A mulher disse que ficou se debatendo, pedindo para que ele parasse.

O segundo caso sendo investigado pela polícia envolve o relato de uma vendedora, também de 23 anos. Ela também fez acusações de violência sexual contra o ex-parlamentar, com quem afirmou ter iniciado um relacionamento após eles se conhecerem também por redes sociais, em junho de 2020. A mulher disse que teria trabalhado na campanha de Monteiro para vereador no mesmo ano.

A vendedora relatou ainda que ela voltava de um ato de campanha quando Gabriel a teria obrigado a manter relações sexuais na frente do motorista, quando o carro trafegava pela ponte Rio-Niterói. A mulher disse anda que durante a campanha eleitoral, e o ex-vereador sempre a oferecia para fazer sexo com os seguranças. Ela também acusou o ex-vereador de ter apertado seu pescoço contra a parede, porque não concordava com o modo dele de pensar.


Fonte: O Globo

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu