Prisão preventiva do ex-presidente do Peru é prorrogada por 18 meses

Postagens Recentes

3/recent/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Ad Code



Prisão preventiva do ex-presidente do Peru é prorrogada por 18 meses


                                       Número de mortos em protestos no país chega a 15

Porto Velho, RO - A prisão preventiva do ex-presidente peruano Pedro Castillo foi prorrogada para 18 meses na quinta-feira (15), em meio a crescente disputa diplomática com países de esquerda que se opõem à sua destituição e a protestos violentos que se estendem pela segunda semana.

Pelo menos 15 pessoas morreram nas manifestações, segundo declarações das autoridades.

Um painel judicial dentro da Suprema Corte determinou o período prolongado de prisão preventiva para Castillo enquanto os promotores continuam a investigar as acusações criminais contra ele.

A decisão não tocou no mérito das acusações enfrentadas por Castillo, acusado de rebelião e conspiração, mas um juiz da Suprema Corte que chefia o painel citou o risco de fuga do presidente deposto.

Castillo nega todas as acusações e diz que continua sendo o presidente legítimo do país.

Manifestantes se reuniram do lado de fora da prisão onde ele está detido, segurando cartazes criticando a nova presidente Dina Boluarte e pedindo o fechamento do Congresso.

"Queremos apenas que a voz do povo seja ouvida. O povo está exigindo que tragam nosso presidente de volta", disse a manifestante Gloria Machuca.

Os protestos ameaçam a logística nas principais minas de cobre e levaram à declaração de toque de recolher em várias áreas do país andino.

Castillo, que é professor e filho de camponeses, obteve vitória eleitoral apertada no ano passado, concorrendo sob a bandeira do partido marxista Peru Livre. Ele foi removido por uma votação esmagadora de parlamentares, que o acusaram de "incapacidade moral permanente" poucas horas depois de determinar a dissolução do Congresso, em 7 de dezembro.

Quatro nações lideradas por presidentes de esquerda - Argentina, Bolívia, Colômbia e México - assinaram nesta semana nota conjunta declarando Castillo "vítima de assédio antidemocrático".

Um bloco de países de esquerda reunidos em Havana, incluindo Cuba, Bolívia, Venezuela e Nicarágua, também apoiou Castillo, rejeitando o que descreveu como "estrutura política criada pelas forças de direita".

A ministra das Relações Exteriores, Ana Cecilia Gervasi, nova no cargo depois que Boluarte substituiu Castillo na semana passada, convocou os embaixadores do Peru na Argentina, Bolívia, Colômbia e México para consulta.

Gervasi escreveu no Twitter que as consultas "referem-se a interferência nos assuntos internos do Peru".


Fonte: Agência Brasil

Postar um comentário

0 Comentários