Ministério da Saúde lança nota técnica que libera vacina da covid para crianças de 6 meses a 4 anos de idade

Postagens Recentes

3/recent/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Ministério da Saúde lança nota técnica que libera vacina da covid para crianças de 6 meses a 4 anos de idade

  



A ampliação vacinal deve ser feita gradualmente e conforme a pasta federal, a prioridade será em crianças com comorbidades

O Ministério da Saúde do Governo Federal autorizou nesta semana, por meio de Nota Técnica, a aplicação da vacina da Pfizer contra a covid, em crianças que têm entre 6 meses a 4 anos de idade. A recomendação foi assinada em 23 de dezembro, pela coordenação do Programa Nacional de Imunizações – PNI.

A autorização segue a recomendação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde – Conitec que, por meio de parecer, foi favorável à liberação da aplicação da vacina em crianças sem comorbidades.

“Até então, a vacina “Pfizer Baby” é aplicada somente em crianças com idade de 6 meses até 2 anos de idade, e que possuam comorbidades as quais podem causar riscos à saúde, caso se contaminem com o coronavírus”, informou o diretor-geral da Agência Estadual de Vigilância em Saúde – Agevisa, Gilvander Gregorio de Lima.


A vacinação era aplicada em crianças de 6 meses a 2 anos de idade, com comorbidades. Agora, a imunização passa a ser independente

Em Rondônia, a Agevisa está de prontidão para seguir as novas recomendações do Ministério da Saúde. A gerente técnica de Vigilância Epidemiológica, Arlete Baldez esclarece que, “a saúde e os estados continuamente buscam estratégias para ampliar as coberturas vacinais e proteger a população contra doenças que trazem grandes riscos à saúde. É um grande avanço a vacinação, agora, abranger as crianças, independente de comorbidades, pois é uma vacina segura e eficaz”, concluiu.

O governador de Rondônia, Marcos Rocha, desde o início da pandemia, não mediu esforços para trabalhar em busca da imunização da população rondoniense, que também abrange as crianças, para que estejam protegidas. “A imunização contra essa doença é de extrema importância, e assim como os adultos, nossas crianças também precisam estar vacinadas. Essa liberação é importante e vamos seguir as recomendações do Ministério da Saúde”.

Com a nova recomendação lançada pela MS, a ampliação vacinal deve ser feita de forma gradual e conforme a pasta federal, a prioridade para o momento, será para as crianças com comorbidades.

“Considerando o quantitativo de vacinas existentes, recomenda-se que todos os esforços sejam envidados para que haja a garantia, inicialmente, a vacinação de crianças com comorbidades e a inclusão paulatina dos demais grupos etários, de acordo com a disponibilidade de vacinas nos estados, Distrito Federal e municípios, e que a vacinação vá avançando à medida que houver disponibilização destas pelo Ministério da Saúde”, concordante ao que consta no documento.

VACINAÇÃO EM ESCALA
No caso das crianças sem condições pré-existentes, a aplicação seguirá uma ordem:

• Crianças de 6 meses a menores de 1 ano;
• Crianças de 1 a 2 anos;
• Crianças com 3 anos; e
• Crianças com 4 anos de idade.

MUDANÇAS
A recomendação do Ministério da Saúde ainda traz novos pontos em relação ao intervalo entre a aplicação das doses. A partir de agora, as duas primeiras doses serão aplicadas com um intervalo de quatro semanas e não de três semanas, como propõe a Pfizer. A terceira dose deve ser aplicada pelo menos oito semanas após a segunda.



Fonte
Texto: Richard Neves
Fotos: Frank Néry
Secom - Governo de Rondônia

Postar um comentário

0 Comentários