Referendos contestados na Ucrânia entram no último dia

 

Rússia emite novo alerta nuclear

Porto Velho, RO
 - Um aliado do presidente Vladimir Putin emitiu um novo alerta nuclear para a Ucrânia e o Ocidente, nesta terça-feira (27), quando os referendos anunciados pela Rússia como um prelúdio para anexar quatro regiões ucranianas entraram em seu quinto e último dia.

A mais recente polêmica de Moscou envolve uma investigação por países europeus sobre vazamentos inexplicáveis ​​em dois gasodutos russos sob o Mar Báltico, o que dificultará os esforços para retomar a linha principal que leva o gás russo para a Alemanha.

O Kremlin, que culpou problemas técnicos por cortes anteriores no fornecimento de gás russo para a Europa, disse que não pode descartar sabotagem, mas não disse por quem e pediu uma investigação.

O confronto da Rússia com o Ocidente aumentou a inflação global e acentuou as crises energética e alimentar em muitos países desde a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, que foi recebida com duras sanções ocidentais e medidas de retaliação russas.

O alerta nuclear de terça-feira por Dmitry Medvedev, vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, é um dos vários emitidos por Putin e seus aliados nas últimas semanas.

Analistas dizem que eles visam deter a Ucrânia e o Ocidente, sugerindo uma prontidão para usar armas nucleares táticas para defender o território recém-anexado, onde as forças russas enfrentaram fortes contraofensivas ucranianas nas últimas semanas.

A advertência de Medvedev difere das anteriores, pois ele previu pela primeira vez que a aliança militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) não arriscaria uma guerra nuclear ao entrar diretamente na guerra da Ucrânia, mesmo se Moscou atacasse a Ucrânia com armas nucleares.

"Acredito que a Otan não interferiria diretamente no conflito, mesmo neste cenário", disse Medvedev em um post na rede social Telegram. "Os demagogos do outro lado do oceano e na Europa não vão morrer em um apocalipse nuclear."
Referendos

A votação sobre adesão à Rússia em quatro regiões ucranianas parcialmente controladas por Moscou - Kherson, Luhansk, Donetsk e Zaporizhzhia - entrou em seu quinto e último dia. O Ocidente disse que não reconhecerá o resultado do que considera referendos fraudulentos ilegais.

Autoridades do governo russo têm alertado repetidamente que podem usar armas nucleares para defender o novo território se as forças de Kiev, que já controlam parte dele, tentarem tomar o que Moscou diz que em breve considerará seu território soberano.

A Otan e os Estados Unidos não detalharam publicamente como responderiam a um ataque nuclear russo à Ucrânia, mas Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, disse à CBS no domingo que Washington havia explicado a Moscou o que ele descreveu como "consequências catastróficas" para a Rússia.

O conselheiro presidencial ucraniano, Mykhailo Podolyak, afirmou em entrevista ao jornal suíço Blick que a Ucrânia está se preparando para a possibilidade de um ataque nuclear russo, mas disse que o ônus recai sobre os Estados com armas nucleares para deter a Rússia.

"Para onde exatamente devemos enviar as pessoas no caso de um ataque nuclear russo contra a Ucrânia?" ele perguntou. "É por isso que o uso de armas nucleares é uma questão de segurança global - isso não é mais apenas sobre a Ucrânia."

Podolyak disse na mesma entrevista que os ucranianos que ajudaram a Rússia a organizar os referendos de anexação enfrentariam acusações de traição e pelo menos cinco anos de prisão.


Fonte: Agência Brasil

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu