Forças do Irã entram em confronto com manifestantes por morte de Amini

 

Jovem, de 22 anos, morreu sob custódia policial

Porto Velho, RO
 - A polícia de choque e as forças de segurança iranianas entraram em confronto com manifestantes em dezenas de cidades nesta terça-feira (27), de acordo com a mídia estatal e as redes sociais, em meio a protestos contínuos contra a morte da jovem iraniana Mahsa Amini sob custódia policial.

Amini, de 22 anos, da cidade curda iraniana de Saqez, foi presa este mês em Teerã, por causa de "trajes impróprios", pela polícia da moralidade, que aplica o código de vestimenta estrito da República Islâmica.

A morte dela provocou a primeira grande manifestação de oposição nas ruas do Irã desde que as autoridades reprimiram os protestos contra o aumento dos preços da gasolina em 2019.

Apesar de um número crescente de mortos e uma repressão feroz por parte das autoridades, vídeos postados no Twitter mostraram manifestantes pedindo a queda de líderes clericais, enquanto enfrentavam forças de segurança em Teerã, Tabriz, Karaj, Yazd e outras cidades iranianas.

A televisão estatal informou que a polícia entrou em confronto com o que chamou de "desordeiros", em algumas cidades, e disparou gás lacrimogêneo para dispersá-los.

Vídeos postados nas mídias sociais mostraram manifestantes cantando "Mulher, Vida, Liberdade", enquanto mulheres acenavam e queimavam seus véus.

Vídeos no Twitter mostraram manifestantes gritando "Morte ao ditador" na cidade de Tabriz, uma referência ao líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei. Nas cidades curdas de Sanandaj e Sardasht, a tropa de choque disparou contra os manifestantes.

Postagens nas redes sociais, junto com alguns ativistas, pediram greve nacional. Vários professores universitários pediram demissão em protesto contra a morte de Amini, segundo declarações publicadas por eles nas redes sociais.

Alunos de diversas universidades se recusaram a participar das aulas, em protesto contra a prisão generalizada de estudantes e os confrontos com as forças de segurança.

Os vídeos nas redes sociais e os relatos de demissão não puderam ser verificados pela Reuters.

Autoridades disseram que 41 pessoas, incluindo membros da polícia e uma milícia pró-governo, morreram durante os protestos. Mas grupos iranianos de direitos humanos relataram número maior.


Fonte: Agência Brasil

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu