Cientistas do Japão criam baratas ciborgues para ajuda em desastres

Insetos carregam mochilas de células fotovoltaicas e eletrônicos

Porto Velho, RO
- Se um terremoto ocorrer em um futuro não muito distante e os sobreviventes ficarem presos sob toneladas de escombros, os primeiros socorristas a localizá-los podem ser baratas ciborgues.

Essa é uma potencial aplicação de uma pesquisa recente de cientistas japoneses, que demonstraram a capacidade de colocar "mochilas" de células fotovoltaicas e eletrônicos nos insetos e controlar seus movimentos remotamente.

Kenjiro Fukuda e sua equipe do Thin-Film Device Laboratory, da gigante japonesa de pesquisa Riken, desenvolveram uma película flexível de células solares com 4 micra de espessura, que equivale a cerca de 1/25 de um fio de cabelo e que pode ser instalada no abdômen do inseto.

Essa película permite que a barata se mova livremente, enquanto a célula fotovoltaica gera energia suficiente para o processamento e envio dos sinais direcionais para órgãos sensoriais da parte de trás do inseto.

O trabalho se baseia em experimentos anteriores de controle de insetos da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Cingapura, e pode um dia resultar em insetos ciborgues que entrariam em áreas perigosas com muito mais eficiência do que robôs.

"As baterias dentro de pequenos robôs se esgotam rapidamente, então o tempo de exploração se torna mais curto", disse Fukuda. "Um dos principais benefícios [de um inseto ciborgue] é que, quando se trata de um inseto, ele se move por conta própria, então a eletricidade necessária é bem menor".

Fukuda e sua equipe escolheram baratas sibilantes de Madagascar para os experimentos, já que são grandes o suficiente para transportarem o equipamento e não têm asas que atrapalham. Mesmo quando a mochila e a película estão coladas nas costas, os insetos podem atravessar pequenos obstáculos ou se endireitar quando virados de cabeça para baixo.

A pesquisa ainda tem um longo caminho a percorrer. Em uma demonstração recente, o pesquisador Yujiro Kakei, da Riken, usou um computador especializado e um sinal bluetooth sem fio para dizer à barata ciborgue que virasse à esquerda, fazendo com que ela se deslocasse naquela direção. Mas quando recebeu o sinal para "direita", o inseto girou em círculos.

O próximo desafio é miniaturizar os componentes para que os insetos possam se mover com mais facilidade e permitir a montagem de sensores e até câmeras. Kakei disse que gastou cerca de US$ 35 dólares para montar a mochila ciborgue, que usa peças compradas no famoso distrito eletrônico de Akihabara, em Tóquio.

A mochila e a película podem ser removidas, permitindo que as baratas voltem à vida no terrário do laboratório. Os insetos vivem até cinco anos em cativeiro.

Além do resgate por meio de insetos, Fukuda vê amplas aplicações para a película de células solares, composta por camadas microscópicas de plástico, prata e ouro. O material pode ser embutido em roupas ou adesivos de pele para uso no monitoramento de sinais vitais, por exemplo.

Em um dia ensolarado, um guarda-sol coberto com o material poderia gerar eletricidade suficiente para carregar um telefone celular, disse ele.


Fonte: Agência Brasil

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu