Considerada a maior fraudadora do INSS, Jorgina de Freitas morre

Ex-advogada integrou quadrilha responsável por fraude de R$ 1 bilhão no INSS. Ela estava internada desde dezembro

Porto Velho, RO
– Morreu nessa quarta-feira (21) a ex-advogada Jorgina Maria de Freitas. Ela estava internada no Hospital Municipal Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense do Rio, desde dezembro, quando sofreu um acidente de carro.

Jorgina ficou presa por 12 anos, acusada de ter feito parte de uma quadrilha responsável pela maior fraude na Previdência Social da história do país, avaliada em mais de R$ 1 bilhão, descoberta na década de 1990, que ficou conhecida como a máfia da previdência.

Condenada a 14 anos de prisão em 1992, Jorgina fugiu para o exterior mas foi encontrada em 1997, na Costa Rica, extraditada e presa no ano seguinte. Ela teve o registro profissional cassado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em 2001. Acabou solta em 2010 após ter a pena considerada extinta.

O grupo de fraudadores contava com 25 pessoas, entre juiz, advogados, procuradores do INSS e contador. Jorgina, com outros advogados, entrava na Justiça com pedidos de ações indenizatórias em nome de trabalhadores humildes que tinham sofrido acidentes de trabalho.

Um contador da quadrilha aplicava correções, o que transformava pequenas quantias em altos valores. Os procuradores do INSS recomendavam os pagamentos, e o juiz Nestor do Nascimento determinava a quitação em 24 horas.


Fonte: Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu