Quem são os aliados mais próximos de Putin que comandam a guerra


Vladimir Putin é uma figura solitária, que lidera os militares russos em uma guerra de alto risco que ameaça destruir a economia de seu país.

Porto Velho, RO - Ele raramente pareceu mais isolado do que em duas aparições recentes e coreografadas com seu círculo íntimo, onde se senta a uma distância considerável de seus conselheiros mais próximos.

Como comandante, a responsabilidade final pela invasão é dele. Mas sempre conta com uma comitiva profundamente leal, muitos dos quais também começaram suas carreiras nos serviços de segurança da Rússia. A questão é quem ele tem ouvido durante este momento mais fatídico de sua presidência.


Se alguém o influencia, é o confidente de longa data Sergei Shoigu, que repetiu a linha de Putin de desmilitarizar a Ucrânia e proteger a Rússia da chamada ameaça militar do Ocidente.

Ele é um homem que faz viagens de caça e pesca com o presidente para a Sibéria, e no passado foi visto como um sucessor em potencial.

Mas dê uma olhada nesta foto extraordinária dele na ponta desta mesa, sentado desajeitadamente ao lado do chefe das Forças Armadas. É quando você se pergunta até que ponto ele é capaz de influenciar a mente do presidente Putin.


O presidente russo muitas vezes aparece como uma figura isolada

Esta foto foi tirada três dias antes da campanha militar de luta contra a inesperada resistência ucraniana e moral militar.

"Shoigu estava supostamente marchando para Kiev; ele é ministro da Defesa e deveria ganhar", diz Vera Mironova, especialista em conflitos armados.

Ele foi creditado pela operação militar na Crimeia, em 2014. E também estava no comando da agência de inteligência militar GRU, acusada de dois envenenamentos por agentes — o ataque mortal de 2018 em Salisbury, no Reino Unido, e o ataque quase fatal ao líder da oposição Alexei Navalny, na Sibéria em 2020.

A imagem fica ainda pior quando vista de perto. "Parece um funeral", diz Mironova.


Valery Gerasimov (à esq.) e o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, desempenharam um papel fundamental nas decisões estratégicas do presidente Putin

Pode parecer estranho, mas o escritor e especialista em segurança russo Andrei Soldatov acredita que o ministro da Defesa ainda é a voz mais influente que o presidente ouve.

"Shoigu não está apenas no comando das Forças Armadas. Ele também está parcialmente no comando da ideologia - na Rússia a ideologia é principalmente sobre história e ele está no controle da narrativa."


Como chefe de gabinete, era trabalho dele invadir a Ucrânia e concluir o trabalho rapidamente. E, por esse padrão, ele foi considerado ineficiente.

Ele desempenhou um papel importante nas campanhas militares de Vladimir Putin desde que comandou um exército na Guerra da Chechênia, em 1999, e também esteve na vanguarda do planejamento militar russo para a Ucrânia, supervisionando exercícios militares na Bielorrússia, em fevereiro de 2022.

Descrito pelo especialista russo Mark Galeotti como um "sem sorriso e escarpado", o general Gerasimov também desempenhou um papel fundamental na campanha militar para anexar a Crimeia.

Alguns relatórios sugerem que ele agora foi afastado por causa do fracassado início da invasão da Ucrânia e relatos de baixa moral entre as tropas.

Mas Andrei Soldatov acredita que isso é uma ilusão de alguns setores: "Putin não pode controlar todas as estradas e todos os batalhões, e esse é o papel dele". E embora o ministro da Defesa possa amar seus uniformes, ele não tem treinamento militar e precisa contar com os profissionais, acrescenta.


"Patrushev é o falcão mais agressivo, que imagina que o Ocidente está atrás da Rússia há anos", diz Ben Noble, professor associado de política russa na University College London (UCL).

Ele é um dos três leais a Putin que serviram com ele desde a década de 1970, em São Petersburgo, quando a segunda maior cidade da Rússia ainda era conhecida como Leningrado.

Os outros dois destaques são o chefe do serviço de segurança, Alexander Bortnikov, e o chefe da inteligência estrangeira, Sergei Naryshkin. Todo o círculo íntimo do presidente é conhecido como siloviki, ou executores, mas esse trio está ainda mais próximo.

Poucos têm tanta influência sobre o presidente quanto Nikolai Patrushev. Não só trabalhou com ele na antiga KGB durante a era comunista, como também o substituiu como chefe da organização sucessora, a FSB, de 1999 a 2008.

Foi durante uma reunião bizarra do conselho de segurança da Rússia, três dias antes da invasão, que Patrushev expôs sua opinião de que o "objetivo concreto" dos EUA era o desmembramento da Rússia.

A sessão foi uma peça de teatro extraordinária, mostrando o presidente segurando o tribunal atrás de uma mesa enquanto, um a um, sua equipe de segurança caminhava até um púlpito e expressava sua opinião sobre o reconhecimento da independência dos rebeldes apoiados pela Rússia na Ucrânia.

Nikolai Patrushev passou no teste. "Ele é quem tem o principal grito de guerra, e há um sentido no qual Putin se moveu para sua posição mais extrema", diz Ben Noble.


Observadores do Kremlin dizem que o presidente confia nas informações que recebe dos serviços de segurança mais do que qualquer outra fonte, e Alexander Bortnikov é visto como parte do time interno de Putin.

Outro veterano da KGB de Leningrado, ele assumiu a liderança de seu substituto da FSB quando Nikolai Patrushev se mudou.

Ambos os homens são conhecidos por serem próximos do presidente, mas como Ben Noble aponta: "Não é possível dizer com total confiança quem está dando as ordens e quem tomou as decisões".

A FSB tem considerável influência sobre outros serviços de aplicação da lei e ainda tem suas próprias forças especiais.

Bortnikov é importante, mas não está lá para desafiar o líder russo ou dar conselhos da mesma forma que os outros, acredita Andrei Soldatov.


Completando o trio de velhos fantasmas de Leningrado, Sergei Naryshkin permaneceu ao lado do presidente durante grande parte de sua carreira.

O que, então, devemos fazer com uma reprimenda notável a que ele foi submetido quando ele desviou de uma pergunta durante a reunião do conselho de segurança?

Quando perguntado sobre sua avaliação da situação, o chefe de inteligência ficou confuso e acalmou suas falas, quando foi informado pelo presidente: "Não é isso que estamos discutindo".

A longa sessão foi editada para que o Kremlin decidisse claramente mostrar seu desconforto diante de uma grande audiência de televisão.

"Foi chocante. Ele é incrivelmente legal e controlado, então as pessoas vão perguntar o que está acontecendo aqui", disse Ben Noble à BBC. Mark Galeotti ficou impressionado com a atmosfera tóxica de toda a ocasião.

Mas Andrei Soldatov acha que ele estava simplesmente aproveitando o momento: "Putin adora jogar com seu círculo íntimo, fazendo com que ele (Naryshkin) pareça um idiota".

Sergei Naryshkin acompanha Putin há muito tempo, desde São Petersburgo, na década de 1990, depois no gabinete de Putin em 2004 e acabou se tornando presidente do parlamento. Mas ele também dirige a Sociedade Histórica Russa e, na opinião de Soldatov, provou ser muito importante ao fornecer ao presidente bases ideológicas para suas ações.

Em 2021, ele deu uma entrevista ao correspondente da BBC em Moscou, Steve Rosenberg, na qual negou que a Rússia tenha realizado envenenamentos e ataques cibernéticos ou tenha interferido nas eleições de outros países.


Por 18 anos, ele tem sido o diplomata mais graduado da Rússia, apresentando o caso da Rússia ao mundo, mesmo que ele não seja considerado por ter um grande papel na tomada de decisões.

Sergei Lavrov, de 71 anos, é mais uma prova de que Vladimir Putin confia fortemente em figuras de seu passado.

Ele é um operador astuto: no mês passado, ele tentou ridicularizar a secretária de Relações Exteriores britânica Liz Truss por seu conhecimento da geografia russa e no ano anterior tentou humilhar o chefe de política externa da UE, Josep Borrell.

Mas há muito tempo ele é deixado de lado em qualquer coisa relacionada à Ucrânia e, apesar de sua reputação rude e hostil, defendeu mais negociações diplomáticas sobre a Ucrânia e o presidente russo optou por ignorá-lo.

É improvável que ele tenha se importado com a saída da maioria do conselho de direitos humanos da ONU enquanto ele tentava defender a invasão da Rússia. Veja vídeo:


Um raro rosto feminino na comitiva de Putin supervisionou a votação da câmara alta para carimbar o envio de forças russas ao exterior, abrindo caminho para a invasão.

Valentina Matviyenko é outra leal ao Putin de São Petersburgo, que também ajudou a conduzir a anexação da Crimeia em 2014.

Mas ela não é considerada a principal tomadora de decisões. Dito isto, poucas pessoas podem dizer com total certeza quem está dando as cartas e tomando as grandes decisões.

Assim como todos os outros membros do conselho de segurança da Rússia, seu papel era dar a impressão de uma discussão coletiva quando é mais do que provável que o líder russo já tivesse se decidido.


Ex-guarda-costas do presidente, ele agora comanda a guarda nacional russa, Rosgvardia. Formada pelo presidente Putin há apenas seis anos, como uma espécie de exército pessoal no estilo de uma guarda pretoriana, semelhante ao império romano.

Ao escolher seu próprio segurança pessoal para o front, ele garantiu sua lealdade, e Viktor Zolotov aumentou a tropa para cerca de 400 mil.

Vera Mironova acredita que o plano original russo era completar a invasão em poucos dias e, quando os militares pareciam estar falhando, a guarda nacional russa assumiu a liderança.

O problema é que o líder da guarda nacional não tem treinamento militar e, como a força dele não tem tanques, eles também são vulneráveis ​​a ataques.

Quem mais Putin ouve?

O primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, tem a tarefa nada invejável de resgatar a economia, mas tem pouco a dizer sobre a guerra.

O prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, e o chefe da gigante petrolífera estatal Rosneft, Igor Sechin, também são próximos do presidente, segundo o analista político Yevgeny Minchenko.

Os irmãos bilionários Boris e Arkady Rotenberg, amigos de infância do presidente, também são confidentes há muito tempo. Em 2020, a revista Forbes os nomeou como a família mais rica da Rússia.

Fonte: BBC News

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu