Macron negocia encontro de Putin e Biden sobre crise na Ucrânia; Kremlin diz que cúpula é prematura


Governo francês afirmou que diálogo ‘não acontecerá se Rússia invadir’; detalhes serão negociados na quinta-feira em encontro do secretário de Estado dos EUA com o chanceler russo

Porto Velho, RO - O governo da França afirmou que os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e dos Estados Unidos, Joe Biden, concordaram "em princípio" em participar de uma cúpula proposta pelo presidente francês, Emmanuel Macron, para discutir a crise na Ucrânia.

A cúpula será seguida de um encontro com "todas as partes envolvidas" na crise na fronteira, em que será abordada "a segurança e a estabilidade estratégica na Europa", acrescentou o governo francês, que esclareceu que o diálogo "não poderá acontecer se a Rússia invadir a Ucrânia".

Segundo o anúncio do Palácio do Eliseu, “a substância” da cúpula proposta terá que ser preparada pelo secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e pelo ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, quando se encontrarem na próxima quinta-feira.

Tanto a cúpula proposta, quanto a reunião de Blinken com Lavrov, estão condicionadas à Rússia não invadir a Ucrânia. O acordo em princípio para a cúpula foi anunciado após o segundo telefonema de Macron com Putin, em meio a seu esforço para evitar que a Rússia invadisse a Ucrânia.

Os detalhes da segunda ligação foram anunciados depois das 2h da manhã em Moscou.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou em um comunicado após o anúncio do encontro que os EUA “estão comprometidos em buscar a diplomacia até o momento em que uma invasão começar”, mas observou que “atualmente, a Rússia parece estar continuando os preparativos para um ataque em grande escala à Ucrânia muito em breve”.

“O secretário Blinken e o ministro das Relações Exteriores Lavrov devem se reunir no final desta semana na Europa, desde que a Rússia não prossiga com uma ação militar. O presidente Biden aceitou, em princípio, uma reunião com o presidente Putin após esse compromisso, novamente, se uma invasão não acontecer. Estamos sempre prontos para a diplomacia. Também estamos prontos para impor consequências rápidas e severas caso a Rússia opte pela guerra.”


Os presidentes da Rússia, Vladimir Putin (E), e da França, Emmanuel Macron, se reuniram em uma longa mesa branca em um salão do Kremlin, em 7 de fevereiro Foto: Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP

O porta-voz de Vladimir Putin, Dmitri Peskov, disse nesta segunda-feira, 21, que é "prematuro" falar sobre planos específicos para uma cúpula entre o presidente russo e Joe Biden.

Peskov disse que Putin e Biden podem se encontrar se considerarem necessário, mas enfatizou que “é prematuro falar sobre planos específicos para uma cúpula” e que não há planos concretos.

Peskov também descreveu a situação na região de Donbass, na Ucrânia, como “extremamente tensa”, acrescentando que Putin deveria se dirigir ao Conselho de Segurança da Rússia nesta segunda-feira, 21.

Putin convocou uma reunião extraordinária do Conselho de Segurança, composto pelos principais funcionários estatais da Rússia e chefes das agências de defesa e segurança e presidido por Putin. O Conselho de Segurança atua como uma plataforma para determinar e coordenar a política de segurança nacional.

“Este será um grande Conselho de Segurança. Haverá um discurso de Putin, bem como outros discursos”, disse Peskov.

Fonte: Estadão


Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu