Escola do Mato Grosso desenvolveu projeto inédito de cultura com alunos infanto-juvenis durante a pandemia que se transformou em livros



Porto Velho, Rondônia – A máxima que reza que em tempos de crise devemos aproveitar para explorar novas oportunidades nunca fez tanto sentido em Rondolândia, no Mato Grosso, quanto neste período de pandemia.

Afetados pela suspensão de aulas presenciais em 2.021, professores e demais profissionais de Educação e apoio da Escola Municipal Joana Alves de Oliveira, situada na Linha 03, KM 15, desenvolveram um projeto partindo de aulas remotas, no qual os estudantes dos ensinos Infantil e Fundamental foram estimulados a criar histórias e ilustrações para manutenção do aprendizado e desenvolvimento do conhecimento.

As famílias das crianças também se envolveram na proposta, e tudo o que foi produzido pelos estudantes se transformou em livros, através do aplicativo Estante Mágica. Mais ainda, o projeto avançou, e graças ao apoio de investidores do setor privado, todo o material foi impresso em livros, os quais foram adquiridos por apoiadores da ideia e doados aos próprios alunos.

O desfecho dessa bela ação de integração total entre escola, famílias e a comunidade aconteceu dias atrás, no início do ano letivo, com a entrega dos livros aos estudantes, aplacando a ansiedade dos pequenos autores.

Entre as empresas que apoiaram a iniciativa, as maiores doações vieram do SICOOB e da Verde Brasil, que atua no ramo madeireiro. Mas, entre doadores pessoa física e jurídica, foi muita gente que participou de todo o projeto.

Os profissionais da escola preferem manter seus nomes sem divulgação, preferindo que se destaque o fato de se tratar de uma pequena escola da área rural numa pequena cidade do interior do Mato Grosso, onde a criatividade e a determinação serviram para driblar problemas estruturais como a falta de internet, por exemplo, para manter o propósito de ensinar às novas gerações a enfrentar de frente as adversidades e fazer valer o princípio da cidadania e da participação pelo bem comum.

Sem dúvida, todos os envolvidos, das crianças aos organizadores e apoiadores, pessoas diferenciadas de nossa sociedade.











Foto:´Da Redação

Fonte:´Da Redação








  

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu