Anvisa libera CoronaVac para crianças acima de 6 anos: vacina é segura e vai acelerar imunização, dizem especialistas

Especialistas ouvidos pelo jornal ressaltam que o imunizante tem menos efeitos adversos do que outras vacinas e gera uma boa resposta imune nos pequenos

Porto Velho, RO -
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta quinta-feira a CoronaVac para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos de idade. Especialistas ouvidos pelo GLOBO consideram a vacina produzida pelo Instituto Butantã boa para uso em crianças porque tem menos efeitos adversos, em comparação com os outros imunizantes, e protege meninos e meninas contra casos graves da doença.

Além disso, sua aprovação ajudará a acelerar a imunização da faixa etária de 5 a 11 anos de idade, que enfrenta baixa disponibilidade de doses.

A CoronaVac se encaixa bem para crianças porque elas já têm um sistema imunológico bom e não precisam de tanta ativação quanto os adultos, tanto que a maioria dos casos de Covi-19 não acontece em crianças.

Além disso, o fato de ela ser menos imunogênica, significa que ela provoca menos efeitos adversos — diz o o médico geneticista Salmo Raskin, presidente do Departamento Científico de Genética da Sociedade Brasileira de Pediatria.

O médico lembra que a vacina da Pfizer em crianças gera a mesma resposta imune observada em adultos com um terço da dose, o que já demonstra essa alta capacidade de produção de anticorpos das crianças.

A CoronaVac, vacina produzida no Brasil pelo Instituto Butantã, é produzida a partir de vírus inativado. O infectologista e pediatra Renato Kfouri, presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria, explica que essa é uma plataforma consagrada na vacinação.

— Essa plataforma é muito tradicional, já usada há décadas em diversas vacinas aplicadas rotineiramente como a de coqueluche, polio e hepatite A, por exemplo. E esse acompanhamento de décadas mostra que são vacinas muito seguras — diz Kfouri.

Em investigação:Prefeitura suspende vacinação infantil após criança sofrer parada cardíaca, em Lençóis Paulista (SP); médico tranquiliza pais.

Acelerar a vacinação

Ambos os especialistas acreditam que a liberação da Anvisa irá ajudar a acelerar a vacinação de crianças de 5 a 11 anos. Até o momento, o único imunizante disponível no país para essa faixa etária era o da Pfizer. Embora a vacina também seja eficaz e segura, ainda há poucas doses disponíveis. A nova aprovação irá aumentar o número de doses e permitirá vacinar um número maior de crianças, em menos tempo.

O Ministério da Saúde prevê receber 4,3 milhões de doses da Pfizer em janeiro, totalizando 20 milhões até março. A quantidade é suficiente para vacinar apenas parcialmente todas as crianças de 5 a 11 anos nos três primeiros meses do ano, já que a vacinação completa depende da aplicação de duas doses.

O governo federal estipulou um intervalo de dois meses entre as injeções, isso significa que muitas crianças só terão o esquema vacinal completo em maio ou junho.

A aprovação da CoronaVac pode mudar isso e ajudar a vacinar mais rápido a faixa etária de 6 a 11 anos. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que compraria a CoronaVac para crianças e jovens de 3 a 17 anos desde que a vacina fosse aprovada pela Anvisa. Segundo Butantã, há 12 milhões de imunizantes prontos à disposição do governo.

Em relação a qual vacina é melhor para as crianças, os especialistas são unânimes em dizer: a que estiver disponível mais rápido.

Não deve ter uma preferência. Ambas vão cumprir seu papel, que é a prevenção de formas graves da Covid-19 — ressalta Kfouri.

Dados do Chile, onde o imunizante do Butantã já está em uso em crianças a partir de seis anos, mostram que a CoronaVac foi significativamente efetiva contra hospitalizações e internações em UTIs e óbitos na população pediátrica.

Aumento de crianças internadas

Embora as crianças sejam menos acometidas que os adultos pela Covid-19 e corram menos risco de desenvolver quadros graves, o número de internações nessa faixa etária tem aumentado. Dados do estado de São Paulo mostram que o número de crianças e adolescentes em UTI pela doença aumentou 61% nos últimos dois meses. Especialistas já haviam alertado para o risco disso acontecer, à medida que a vacinação em adultos avançava.

Isso porque o vírus procura pessoas mais vulneráveis, que são justamente os não vacinados. Daí a necessidade de imunizar crianças o mais rápido possível, principalmente diante da disseminação da Ômicron, que é mais transmissível.

Fonte: O Globo

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu