Estelionatário é condenado a mais de dez anos de prisão após causar desfalque de quase 100 mil em vítimas


Uma das vítimas era amante do acusado e a maioria delas foi ludibriada com o ´golpe do veículo´

Porto Velho, RO - O juízo da 3a Vara Criminal e de Delitos de Trânsito da Comarca de Ji-Paraná condenou o estelionatário Adherbal Antônio de Melo a mais de dez anos de prisão no regime fechado após causar um prejuízo de quase R$ 100 mil através do ´Golpe do veículo´ em cinco vítimas da cidade. Adherbal não agia sozinho, mas só ele foi preso.

Os golpes foram aplicados com o mesmo modus operandi: o réu se aproximava das vítimase começava a frequentar o local de trabalho delas ou suas residências, geralmente valendo-se da popularidade e bom relacionamento que a grande maioria tinha com o irmão do réu, que é farmacêutico antigo na cidade de Ji-Paraná.

Após conquistar a confiança da vítima, ele identificava qual seria a necessidade dela naquele momento, para poder aplicar o golpe, fato que só seria perceptível se passasse a conhecê-las de maneira mais próxima. As vítimas só se davam conta de que haviam caido no golpe quando Adherbal desaparecia com o dinheiro.

Sempre se aproveitando da boa-fé das vítimas, em um dos golpes ele se passou por bioquímico e conseguiu ludibriar um caminhoneiro, causando um prejuízo de R$ 35 mil. O caminhoneiro disse que conheceu o falsário durante um trabalho de frete. Como se sentiu mal acabou sendo ´medicado´ pelo ´bioquímico´ Adherbal e logo fizeram amizade.

Logo o falsário passou a frequentar a casa da vítima todos os dias, para ver se estava bem, após o remédio aplicou soro, demonstrando cuidado. Foi em uma dessas visitas que Adherbal começou a dizer que o caminhão estava velho, que precisava ser trocado, e que possuía um bom negócio de caminhão. Dentro de 18 dias, o caminhoneiro estava sem dinheiro e sem o caminhão.

Em outro golpe, Adherbal se passou por comprador de ouro e, em outro ele ludibriou uma amante obtendo dela um bom dinheiro para a reforma de uma residência que não existia.

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu