Vacinação, máscara e higiene são a melhor arma contra a variante delta





Paciente de Porto Velho que foi infectada teve apenas sintomas leves e está curada

Ciclo vacinal completo é importante para proteger a populaçãoA variante delta da covid-19 deve ser enfrentada com o ciclo vacinal completo, isolamento social e demais medidas preventivas como o uso de máscara, higienização de objetos e superfícies. A recomendação foi feita nesta quinta-feira (9), pela secretária Eliana Pasini, da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). Ela disse ainda que a paciente infectada pela variante na capital está curada, e seu círculo de contatos está sendo monitorado.

A secretária explicou que a variante não deve ser confundida com uma gripe ou resfriado. Além disso, através do serviço de Call Center, pelo telefone 0800 647 5225, a população pode obter orientações sobre como proceder quando houver sintomas que podem sugerir a presença do vírus.

“Nossos serviços estão disponíveis, inclusive com médicos para receber as demandas”, destacou Eliana Pasini, que também chamou a atenção para a necessidade de cumprir todo o ciclo vacinal.

“Muitas pessoas não voltaram para tomar a segunda dose. A imunização tem que ser completada. Além dos locais tradicionais de atendimento, como a Faculdade Fimca, onde há vacinação das 9h às 16h, temos também o Porto Velho Shopping, onde as equipes atendem das 10h às 19h”, acrescentou.

SINTOMAS


É preciso manter as medidas preventivas contra a covid-19Marilene Penati, secretária adjunta da Semusa, destacou que os sintomas da variante delta são reduzidos e podem ser confundidos. “Não podemos minimizar esta situação”, recomendou. Segundo ela, fazer o exame para detectar a doença o mais breve possível é importante para evitar que outras pessoas sejam infectadas.

CURADA

A paciente de Porto Velho, que foi infectada pela variante delta da covid-19, tem 25 anos e está curada. Ela recebeu a primeira dose da vacina AstraZeneca no dia dois de agosto e apresentou sintomas do vírus no dia seguinte. Ela teve apenas sintomas leves e não precisou ser internada.

A amostra foi analisada no laboratório Lacen, do governo estadual, e encaminhada para a Fiocruz, no Rio de Janeiro, onde foi confirmada a presença da variante.

REFORÇO

A secretária Eliana Pasini anunciou também que, em Porto Velho, a terceira dose da vacina será aplicada a partir da próxima quarta-feira (15) nas pessoas a partir de 70 anos e imunossuprimidos, pessoas mais suscetíveis a infecções.

Texto: Nonato Cruz
Foto: Leandro Morais


Superintendência Municipal de Comunicação (SMC)

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu