Governo enaltece profissionais da Educação que se reinventaram durante pandemia para levar ensino de qualidade aos estudantes


O Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), tem buscado alternativas para prosseguir obtendo resultados satisfatórios e se adaptar a rotina do cenário pandêmico causado pelo coronavírus. A adaptação inclui a adoção de novos métodos de pesquisa e estudos, criação e utilização de novas plataformas e aderir aos protocolos necessários para a convivência, visando o acolhimento de toda a comunidade escolar.

Prova do empenho desta gestão, é que atualmente, o Estado de Rondônia tem o melhor resultado da região Norte em qualidade na educação. O destaque é baseado nas notas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgadas pelo Ministério da Educação (MEC) em 2020.

ADAPTAÇÃO

A tecnologia, que antes era considerada inimiga da concentração, virou um elo entre aluno, professor e equipe pedagógica. A pedagoga Ana Geralda, que atua há cinco anos na Escola Estadual de Educação Especial Abnael Machado de Lima (Cene), em Porto Velho, explica que a equipe precisou se reinventar para desenvolver os trabalhos junto às crianças especiais. “O processo teve uma hierarquia. A Seduc providenciou as documentações e os primeiros ajustes e nós demos continuidade com o esforço diário, se adequando a novas modalidades tecnológicas e buscando meios que contribuam com a aprendizagem dos alunos”, disse.

O ex-aluno Matheus Almeida também é fruto da adaptação proporcionada pela Secretaria. Mesmo estudando de forma remota, ele foi destaque no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, ao alcançar 900 pontos na redação. O estudante utilizou a plataforma “Agora Vai” e o material de apoio da coleção “Revisa Enem”, disponibilizados pela Seduc. “Fico feliz por ter tido o apoio necessário durante as aulas remotas. Essa dedicação dos professores, foi primordial para que eu alcançasse este resultado”.

TECNOLOGIA

O canal da Mediação Tecnológica, responsável pela divulgação de conteúdos em vídeo, aulões e transmissões (lives) da estrutura educacional do Governo de Rondônia, passou a dar suporte a toda Rede Estadual de Ensino durante a pandemia. Anteriormente, as aulas aconteciam em tempo real, no período entre 13 horas e 17 horas.

“Com a pandemia, todas as aulas na modalidade presencial passaram a ser totalmente remotas, o que exigiu reforço na mão de obra para a ampliação dos conteúdos na plataforma”, explica Daniele Brasil, gerente da Mediação Tecnológica.

“Também levamos exercícios impressos e arquivos de vídeo para as casas dos alunos que não tinham acesso à internet. Foi difícil no início, mas nossa equipe pedagógica conseguiu se adaptar. Um esforço que valeu a pena para não deixar esses estudantes sem assistência didático-escolar”, comenta Daniele.

ALIMENTAÇÃO

Como uma forma de auxiliar as famílias enquanto as aulas presenciais estavam suspensas, “Kits Alimentação” foram entregues simultaneamente nas Coordenadorias Regionais de Educação (CREs). Os kits contém itens que fazem parte do cardápio escolar de cada unidade de ensino e podem incluir arroz, feijão, macarrão, extrato de tomate, óleo, polpa de frutas, achocolatado em pó, farinha, milho verde, banana, maçã, entre outros. Também foram entregues peixes (processado na forma de filé), por meio do Programa Estadual de Alimentação Escolar (Peale).

Os kits eram montados nas unidades escolares e os servidores da Educação, entre professores, supervisores e merendeiras se reuniam com dedicação para selecionar o alimento e entregar aos pais.

O “Cartão Alimentação” também foi uma alternativa oferecida aos estudantes enquadrados em situação de vulnerabilidade social, cadastrados no Programa Bolsa Família. O valor de R$ 75 era disponibilizado mensalmente e tinha por finalidade a complementação nutricional. “Atualmente, os discentes que estão participando das aulas presenciais usufruem da merenda no ambiente escolar”, explica a subgerente de alimentação escolar da Seduc, Aliane Batista.

AULAS PRESENCIAIS

Cerca de 50 mil estudantes, dos 195 mil matriculados, retornaram às aulas presenciais no dia 9 de agosto de 2021. Todos os protocolos sanitários, visando a segurança dos trabalhadores em educação, assim como dos estudantes, estão sendo exigidos e respeitados. O uso de máscara é obrigatório e os alunos que continuam em casa por decisão da família, seguem participando das aulas on-line, o que torna híbrido o processo de ensino-aprendizagem em Rondônia.

EVENTOS

Para evitar aglomerações e preservar a saúde pública, pelo segundo ano consecutivo, o tradicional desfile da independência não será realizado em Rondônia.

O mestre em História, Lourismar Barroso, recorda que “as instituições preparavam os alunos durantes meses para representar com fanfarras, cantar o hino nacional, fazer demonstração de evolução militar e aprender a marchar como soldados. Ao participar do desfile, os alunos se sentiam parte da trajetória que marca a vida estudantil”.

Para que a data continue sendo celebrada dentro do ambiente escolar, Barroso cita algumas alternativas que podem ser adotadas pela equipe escolar. “Uma sessão de filme que aborde o patriotismo, uma peça teatral que represente os principais personagens da história da pátria, uma pesquisa em grupo ou individual para que o aluno apresente suas considerações a respeito do tema, uma mesa redonda, ou até mesmo, um coral para cantar hinos que representem o país”.

O professor finaliza falando rememorando os desfiles de cívicos e sua influencia sobre o patriotismo bem como o desejo dos estudantes se alistarem.

“O desfile é o primeiro contato que muitos destes estudantes tem com o nacionalismo e a carreira militar. Alguns se identificam e já aproveitam a ocasião para manifestar o desejo de servir a pátria. Que em 2022 possamos celebrar os desfiles novamente com a presença de nossos alunos enfileirados e marchando”, finaliza Barroso.


Texto: Ananda Carvalho e Valéria Rodrigues
Fotos: Regiane Vilalon e Cléber Souza
Secom - Governo de Rondônia

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu