Deputados discutem setor mineral com membros da CPRM


O presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos), acompanhado dos deputados Chiquinho da Emater (PSB) e Cassia Muleta (Podemos), se reuniu na manhã desta quarta-feira (14), membros da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), empresa pública vinculada ao Ministério das Minas e Energia, que atua em Rondônia há mais de cinco décadas.

"Reconheço a importância do trabalho realizado pela CPRM em Rondônia, desde a década de 1970. E nos colocamos à disposição para contribuir, dentro de nossas limitações, no que for possível", destacou Redano.

Foram recebidos pelos deputados o diretor de Administração e Finanças da CPRM nacional, Cassiano Alves; o chefe da residência de Porto Velho, Amílcar Adamy; o coordenador executivo da CPRM em Porto Velho, Marcelo Guimarães, e a assessora do diretor de Administração e Finanças, Izabela Giffoni.

Chiquinho da Emater, que foi autor de sessão solene em homenagem a CPRM, disse que a empresa pública dispõe de informações importantes acerca do patrimônio mineral e hidrológico de Rondônia, que ainda é pouco aproveitado pelos gestores públicos, na definição de políticas e de ações. "Temos que aproximar esse vasto conhecimento dos gestores. No abastecimento de água das cidades e dos distritos, por exemplo, os estudos da CPRM podem ser usados com custos bem inferiores e mais precisos, mas hoje ainda são pouco utilizados", ponderou.

A deputada Cassia observou que, apesar de um trabalho tão importante a CPRM tem apenas 34 servidores, para atender Rondônia e Acre. "É preciso um reforço no pessoal, para que os trabalhos tenham mais celeridade e abrangência. Para isso, podemos acionar a nossa bancada federal para buscar essa ampliação nos quadros de pessoal", explicou.

Desafios

Cassiano Alves afirmou que na CPRM, cerca de um terço dos servidores são doutores ou pós-doutores e que manter esses profissionais em unidades mais afastadas é um grande desafio. "Por isso, sugiro que os deputados intercedam junto à bancada federal para que a Universidade Federal de Rondônia (Unir) possa oferecer cursos nas áreas de hidrologia e geologia, para que esses servidores possam atuar como docentes, pois é fundamental que o trabalho inclua pesquisa científica e a academia", acrescentou.

Os deputados então acordaram de oficiar a Unir e a bancada federal, sobre essa necessidade. Também ficou definida a realização de uma audiência pública, em data ainda a ser anunciada, para debater a aproximação entre o setor mineral, os gestores públicos e a CPRM. Outro ponto abordado foi a necessidade de ampliação dos quadros da Agencia Nacional de Mineração (ANM) em Rondônia, que hoje possui apenas um servidor.


Texto: Eranildo Costa Luna-ALE/RO
Foto: Diego Queiroz-ALE/RO

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu