<

Suplentes Ribamar Araújo e Saulo Moreira se preparam para assumir vagas na Assembleia Legislativa


 
Unir sem aglomerar

Nas atuais condições, em que o crime organizado desafia as leis e as autoridades a toda hora, as regras da civilização dependem de um esforço além do dever pelos agentes do Estado, composto pelas esferas federal, estadual e municipal. Só cumprir o dever já não basta: o heroísmo dos servidores é necessário para vencer os prejuízos da venalidade, acobertamento “político” e prevaricação que transgridem leis e normas, fazendo com que se inutilizem ou se limitem seriamente.

Novas leis são sempre saudadas com entusiasmo, mas desde o primeiro minuto de vigência dependem do esforço de quem as faz cumprir. É o caso da nova lei instituindo a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais. A iniciativa é uma grande vitória para o projeto de desenvolvimento da bioeconomia, mas requer dois próximos passos de imediato: uma boa regulamentação, que requer o emprego de novas tecnologias, e o cumprimento mais eficaz das demais leis vigentes.

São assuntos que certamente estarão na pauta do Fórum de Inovação em Investimentos na Bioeconomia Amazônica, parceria formada entre a Concertação pela Amazônia e o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável Amazônia Legal, evento que se realizará de 14 a 25 de junho em ambiente virtual, o novo normal dos atos públicos, para driblar os vírus emboscados nas aglomerações e descuidos sanitários.

Como Carrapatos

Os respectivos suplentes já não escondem mais a ansiedade em assumir suas cadeiras na Assembleia Legislativa. Ocorre que os deputados cassados em todas a instâncias como Aélcio da TV (PP-Porto Velho) e Edson Martins (MDB- Região Central), não largam o osso, estão apegados aos cargos como carrapatos e não demonstram a mínima vontade de deixar o poleiro. Tanto Ribamar Araújo (PR- Candeias do Jamari) como Saulo Moreira (MDB-Ariquemes) sofrem com noites de insônia a espera da posse. Até as fatiotas já estão prontas!

Frente de Esquerda

Em Rondônia a esquerda mais uma vez caminha para as eleições ao governo do estado desunida. O PT de Fatima Cleide, o PC do B de Pantera e o PSOL de Pimenta de Rondônia e outras legendas como o PSTU demonstram claramente que tem projetos próprios. O PT, se sente o maioral com a ascensão de Lula e não procura os antigos parceiros, o PSOL até pode caminhar junto ante acordo nacional, mas o PC do B e o PSTU não dizem nem que sim e nem que não sobre a formação de uma Frente de Esquerda.

Aproximação

Bem aquinhoado nas pesquisas e já polarizando com o presidente Jair Bolsonaro na eleição presidencial, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) busca alianças com todos os segmentos políticos e já tenta aproximação com os evangélicos, o maior reduto de votos o adversário. Assim que vai melhorando sua pontuação nas pesquisas, lideranças políticas evangélicas começam a acenar que podem entrar em acordo. Lula está montando uma grande coalizão partidária e com isto se excluindo o surgimento de uma terceira via que até agora patina nas sondagens, como Ciro Gomes (PDT) e João Dória (PSDB)

Clamor aumenta

No MDB o clamor das bases aumenta para que o senador Confúcio Moura, ex-governador eleito e reeleito seja o candidato do partido. É considerado o único nome em condições de derrotar Ivo Cassol, o grande favorito da temporada. As lideranças buscam costurar acordos para a unificação da legenda, com Confúcio ao governo e o ex-senador Valdir Raupp ao Senado. O MDB tem tradição de grandes viradas no estado, caso de Confúcio que não era favorito em nenhuma disputa ao governo e levou a melhor. Raupp é detentor da maior virada de todos os tempos em 94.

Cadeia ameaçada

A cadeia produtiva do agronegócio brasileiro está ameaçada e com isto a economia brasileira. A cada ano a estiagem avança no Centro-Oeste, Sudeste e Sul do País. Um regime de chuvas em mudança, que alterado ameaça o abastecimento de água, os reservatórios das usinas hidrelétricas e encarecendo a produção de energia elétrica. Com a estiagem severa a produção agrícola começa a sofrer suas consequências, seja na produtividade da soja, algodão, café, na produção leiteira, na pecuária de corte. Em algumas regiões do pais o processo de desertificação avança em terras antes consideradas produtivas.

Via Direta

***Como em todo o País, o desemprego assola Porto Velho e a pobreza fica escancarada em todos os quadrantes do município *** Os desempregados se viram como podem, geralmente como ambulantes vendendo salgadinhos, pão de queijo, frutas e quinquilharias pelas ruas *** Enquanto alguns segmentos padecem, como o hoteleiro, o lojista de roupas e calçados, os supermercados bamburram. As atividades ligadas a saúde prosperam, as funerárias inauguram sedes ricas e suntuosas *** Amir Lando está voltando a política e alguns seguidores dizem que vai disputar uma cadeira à Câmara dos Deputados no ano que vem *** Seus principais redutos são baseados em Porto Velho e no cone sul rondoniense. 

Postar um comentário

0 Comentários