Profissionais da educação são vacinados e vivem expectativa de volta às aulas presenciais


A dose de esperança chegou aos profissionais da educação de Porto Velho. A Prefeitura da capital começou a vacinar o grupo contra a Covid-19 nesta segunda-feira (7). Inicialmente, estão sendo atendidos os educadores que trabalham com crianças de zero a três anos. Nesta fase devem ser aplicadas 1.200 doses do imunizante AstraZeneca/Oxford.

A orientação para todas as pessoas que serão vacinadas é fazer o cadastro através do aplicativo SASI para facilitar a triagem e agendamento por parte da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa).

Na hora da vacinação, os profissionais da educação precisam de documento que comprove a função, conforme alerta a gerente de imunização da Semusa, Elizeth Gomes. “Este grupo precisa comprovar a área de atuação, pode ser com o holerite. O atendimento é feito na Uniron – Campus I, no bairro Lagoinha, até às 16h, mesmo que não tenha feito o cadastro no app”, explica.

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) criou, desde o início da pandemia, o Comitê de Gestão e Decisão para organizar o retorno das aulas presenciais de forma segura. “Comemoramos o início da vacinação deste grupo, que conta com o trabalho e dedicação de outros profissionais, os da Semusa”, disse Gláucia Negreiros, secretária da Semed.

Segundo a secretária, a segunda versão do Plano de Retorno às Aulas Presenciais no município foi deliberada em maio, mas o ponto chave para um retorno seguro é a vacinação.

Ela explica que a Prefeitura está acompanhando e apoiando as escolas da rede, proporcionando a execução de todos os protocolos. “A partir do segundo semestre devemos iniciar as aulas de forma híbrida, garantindo o acolhimento de toda rede, a avaliação dos alunos e a recuperação da aprendizagem”, destaca.

EMOÇÃO

Apesar da pandemia de Covid-19, o atendimento às crianças na rede municipal de Educação não parou. Os professores trabalham em ambiente remoto ou com entrega de atividades escolares aos pais dos alunos.

A professora Mirian Pedraça atua na área há 18 anos. É servidora da Escola Municipal Infantil (EMEI) Semente do Araçá. Ela diz que sente falta da aproximação com os alunos e com suas famílias, principalmente quando se trata de crianças muito pequenas. “Vacinados, esperamos em breve voltar às atividades presenciais. O ensino remoto ajudou, mas a Educação Infantil precisa de um atendimento mais próximo, de afeto, de acompanhamento, de atenção e carinho nos anos iniciais”, argumentou.

Com Marinelli Ribeiro de Almeida, que trabalha com crianças há dois anos na escola de ensino fundamental Francisco Marto, a emoção da volta às aulas começou com a primeira dose da vacina. “Eu estou muito feliz. Quero que as aulas voltem logo. As crianças e nós professores precisamos disso. A vacina é uma vitória para nós”, disse.

Grande também era a expectativa pela imunização dos profissionais que atuam na rede privada de ensino. A professora Juçara Taurino de Souza, que trabalha no Instituto Educacional Alencar Freitas, chegou logo cedo no local de vacinação. Ela contou que a educação básica foi uma das mais atingidas, por atender crianças bem pequenas, cujos pais têm que trabalhar. “Finalmente a nossa vez chegou”, disse muito emocionada a professora.


Texto: Etiene Gonçalves
Foto: Wesley Ribeiro
Superintendência Municipal de Comunicação (SMC)

Postar um comentário

0 Comentários

Close Menu