<

Produtores de leite não aceitam acordo sem serem ouvidos



Os produtores rurais ficaram insatisfeitos com uma reunião de negociação feita entre o governo do estado e as empresas de laticínios sem a presença dos representantes dos produtores de leite. Em grupos de mídias sociais da articulação da mobilização, os produtores trocaram áudios e vídeos comentando e criticando o acordo a R$ 1,30 por litro sem o consentimento da organização da mobilização.

Segundo Rui Barbosa de Souza, articulador do movimento, o valor seria uma escravização do produtor que está pagando para trabalhar. “É impossível entregar o leite a esse valor de R$ 1,30 porque não cobre o custo”, alertou. Rui também reforçou que a proposta dos produtores é que o valor de venda aos laticínios seja 30% acima do valor de referência estipulado pelo Conselho Estadual do Leite (Conseleite), que reúne todos representantes da cadeia produtiva.

Em áudio não identificado, postado em um serviço de mensagens instantâneas, um produtor alerta que o governo colocará a polícia contra os manifestantes, o que causou alvoroço entre os comentários. Também foram postados vídeos mostrando intimações que consideram falsas e alertaram aos produtores que estão em vigília nas barreiras, que somente aceitem decisões judiciais que forem notificadas por oficiais de justiça.

Rui Barbosa de Souza disse que a cadeia produtiva do leite em Rondônia já está comprometida por falta de controle e respeito. “Há cinco anos, o estado produzia mais de 3 milhões de litros de leite por dia. Agora, a produção está em 1,6 milhão e deve cair em breve para apenas 500 mil litros [por] dia porque os produtores estão investindo em outros agronegócios”, explicou.

Alguns produtores ouvidos pela reportagem disseram que estão diminuindo os investimentos em pecuária para aplicar em produção de grãos, setor que seria mais lucrativo.
Suspensão imediata dos incentivos fiscais

O deputado estadual Lazinho da Fetagro (PT) teve requerimento aprovado, nesta terça-feira (27), durante Sessão Ordinária da Assembleia Legislativa, solicitando ao governo do estado a suspensão imediata dos incentivos fiscais concedidos às indústrias de laticínios, conforme determina a lei 4.792 de 2020.


Foto: Irene Mendes

Fonte: Por Diário da Amazônia

Postar um comentário

0 Comentários