<

Governo de Rondônia garantiu o direito da população à saúde, aderindo soluções e buscando recursos em um ano de pandemia



Há um ano, era registrado em Rondônia o primeiro caso de uma pessoa infectada com Covid-19. Prontamente, o Governo do Estado buscou garantir o direito da população à saúde, aderindo soluções e recursos necessários a toda comunidade. Dentre as ações, a compra de um prédio para sediar o Hospital de Campanha, a contratação de mais profissionais de saúde, e a aquisição de novos leitos e equipamentos que são prioridades dentre as medidas de preservação da vida dos rondonienses.

Para atender a essa necessidade, o Poder Executivo, por intermédio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), esteve monitorando os efeitos causados pelo vírus no âmbito social. A exemplo disso, ainda no início da pandemia, uma equipe técnica do órgão traçou estratégias para contornar possíveis crises geradas nos hospitais estaduais, como a criação de medidas sanitárias, através da elaboração do plano de ação “Todos por Rondônia”. Dentro do plano, foi desenvolvido um sistema de monitoramento do crescimento e risco da pandemia, além da avaliação de demanda e oferta de leitos em Rondônia, a fim de oferecer atendimento de qualidade à população.

AQUISIÇÃO DE LEITOS

Tendo em vista um aumento expressivo de contágio do coronavírus seguido de altos índices de internações no Estado, a aquisição de novos leitos clínicos e para fins de terapia intensiva, as chamadas UTIs, continua sendo estruturada. Para cumprir essa demanda, diversas ações foram desenvolvidas ao longo de 2020, bem como a adequação de hospitais da Rede Estadual de Saúde, que se tornaram centros de referência no tratamento de pacientes.

Contribuindo a esse trabalho, dois hospitais de campanha foram readequados e adquiridos em Porto Velho, como o Centro de Reabilitação de Rondônia (Cero), restruturado para prestar serviço de leitos à comunidade. E, por meio de investimento do Governo, foi comprado um prédio de um antigo hospitalar particular na capital, com objetivo de criar o Hospital de Campanha de Rondônia (HCR), que passou a atender somente pessoas diagnosticadas com o vírus.

Na época da aquisição, o secretário de Estado da Saúde, Fernando Máximo, destacou a importância do investimento do imóvel que após o período pandêmico será destinado para outros fins hospitalares. Novos leitos também foram adquiridos através de contratos firmados entre o Estado e a Rede Particular de Saúde, disponibilizando serviços de internações e outros atendimentos.

CONTRATAÇÕES

Ao longo do período pandêmico, o Governo do Estado vem convocando médicos em caráter emergencial para cumprir escalas nas unidades hospitalares do Estado. Conforme a Secretaria da Saúde, estão abertos mais de 80 editais para essa finalidade, abrangendo profissionais de todas as áreas, como intensivistas e clinico-geral. A remuneração pode chegar até R$ 12 mil.

Profissionais interessados em contribuir no serviço podem acessar o link: https://emergencial.sesau.ro.gov.br/Home/Create. As inscrições para o Processo Seletivo atenderão a Sesau e as unidades de saúde públicas dos municípios de Buritis, Cacoal, São Francisco do Guaporé e Porto Velho, incluindo o distrito de Extrema, de forma a atuarem de maneira célere no enfrentamento à Covid-19.

OXIGÊNIO

Outro compromisso que o Poder Executivo tem efetuado com a sociedade, é o abastecimento constante de oxigênio em todos os centros estaduais de tratamento de pacientes da Covid-19. Em cada hospital, o armazenamento e a ampliação do suprimento foram priorizados desde o inicio da pandemia, evitando causar possíveis transtornos durante a prestação de serviço.

De acordo com levantamento da Sesau, tais unidades possuem as respectivas quantidades: Hospital de Base: 45 m³; Hospital de Campanha de Rondônia: 21 mil m³; Hospital de Campanha Zona Leste (Cero): 26 mil m³; Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron): 26 mil m³; Hospital de Urgência e Emergência Regional de Cacoal (Heuro): 12 mil m³ e o Hospital Regional de Cacoal (HRC): 12 mil m³. Além de serem instalados dois concentradores de oxigênio em Extrema (RO), para uso em pacientes como forma de medida alternativa de fornecimento.

Tanto insumos, quanto outros investimentos desenvolvidos pelo Governo de Rondônia fazem parte do plano estratégico de combate ao novo coronavírus, que prioriza salvar vidas.


Texto: Jackson Vicente
Fotos: Esio Mendes, Daiane Mendonça e Itálo Ricardo
Secom - Governo de Rondônia

Postar um comentário

0 Comentários