<

Rondônia supera expectativa e colhe 2,3 milhões de sacas de café na safra 2020



O café de Rondônia tem avançado a cada ano em quantidade, qualidade e sustentabilidade. Mas em 2020, os cafés robustas amazônicos se destacaram fortemente, superando a quantidade de produção, qualidade e sustentabilidade, além de conquistar várias premiações nacionais e internacionais, conforme aponta os dados da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri). Atualmente, o café está entre as cinco maiores culturas do Estado, sendo o 5º maior produtor de café do país e o maior produtor da região Norte.

Na safra deste ano, Rondônia colheu em torno de 2,3 milhões de sacas de 60 kg de café, superando a expectativa dos produtores. Segundo a Seagri, o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) em Rondônia, para este ano, deve alcançar a R$ 16 bilhões, desse valor, o café representa 6,78%, dados registrados até novembro de 2020, com crescimento de 2,86% quando comparado ao mês anterior e que deve somar mais de R$ 1,7 bilhões. O Estado conta com mais de 25 mil famílias produtoras de café, distribuídas em vários municípios.

De acordo com o engenheiro agrônomo da Seagri e especialista em café, Janderson Dalazen, Rondônia bateu recorde de produção de café, com destaque para quantidade e qualidade. “O resultado dessa safra foi muito positivo, superamos a expectativa. A área de café em produção baixou para 65.034 hectares em 2020, porém, a produção chegou a 2,3 milhões de sacas. Com o aumento da produtividade, mesmo com redução da área plantada, o Estado produziu 13% a mais de café em 2020, quando comparado com o ano 2000, quando a área era 2/3 maior, dado relevante no que tange a sustentabilidade da cafeicultura em Rondônia e no bioma amazônico”, disse.

Hoje, os cafés Robustas Amazônicos conquistaram o mercado internacional. Em junho deste ano, 640 sacas de Café Robusta Amazônico de alta qualidade e com sustentabilidade, produzidos por quatro cafeicultores da Cooperativa de Agricultores da Amazônia (Lacoop), foram exportados para a Coreia do Sul (Ásia). Outro destaque para a cafeicultura deste ano foi a concretização do Projeto Tribos, lançado em 2019, para incentivar a produção de cafés em térreas indígenas. Os cafés produzidos por indígenas no Estado agora são incentivados por uma grande empresa nacional.

A cafeicultura de Rondônia conquistou várias premiações em 2020. Em fevereiro deste ano, o cafeicultor Alex Marques de Lima, do município de Alto Alegre dos Parecis, ganhou o prêmio de primeiro lugar na categoria robusta/conilon na 16° edição do Concurso Nacional da Associação Brasileira das Indústrias de Café (Abic). Em outubro, o cafeicultor Elivelton Bonfante, de Nova Brasilândia do Oeste, cooperado da Cooperativa dos Agricultores Familiares da Amazônia (Lacoop), conquistou o segundo lugar no 6º Torneio do Melhor Café Fairtrade do Brasil 2020, Taza Dorada, na categoria Robusta “Microlotes”, avaliado com mais de 80 pontos.

O maior concurso de café robusta do Brasil, o Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café de Rondônia (Concafé) de 2020, foi recorde em premiações e as pontuações de qualidade dos melhores ranqueados foram superiores a 90 pontos. A cafeicultora Luciana Franklin venceu a quinta edição do Concafé, obtendo a pontuação recorde de 90,42 pontos, sendo um café delicado, completo, com aroma floral de jasmim, doce como mel de cana, com sabor de uva.

Ainda neste ano de 2020, os cafés de Rondônia também se destacaram nacionalmente obtendo o título de melhor café do ano na categoria canéfora fermentação induzida, no concurso “Coffee of The Year”, da Semana Internacional do Café. Ediana Capich, do Sítio Santo Antônio, em Novo Horizonte do Oeste, foi premiada em primeiro lugar.

Para fortalecer ainda mais o setor, a Seagri tem desenvolvido, desde 2014, juntamente com parceiros e a Câmara Setorial do Café, várias ações para incentivar os cafeicultores a continuarem com a produção de café, entre elas, apoio para todos os municípios por meio da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RO), distribuição de mais de cinco milhões de mudas clonais para pequenos agricultores familiares, distribuição de calcário para correção do solo entre outros.

Outra ação muito importante que está sendo realizada para a cafeicultura rondoniense é a busca pelo registro de Identificação Geográfica (IG). “A Identificação Geográfica está sendo trabalhada desde 2018 e encontra-se em fase final de registro. Rondônia será o primeiro estado a ter o IG de café robusta sustentável do mundo”, explicou Janderson.

“O café sempre foi uma força para a agricultura rondoniense e a Secretaria de Estado da Agricultura tem demonstrado e efetivado ações para garantir o desenvolvimento da produção no Estado, como distribuição de mudas clonais de café robusta, distribuição de calcário para correção do solo e o Concurso de Qualidade do Café (Concafé). Temos tudo para avançar ainda mais. Com o apoio do governador Marcos Rocha, vamos realizar muitas ações em prol da nossa cafeicultura”, ressaltou o secretário da Seagri, Evandro Padovani.



Texto: Sara Cicera
Fotos: Esio Mendes, Janderson Dalazen, Rinkon Martins e Daiane Mendonça
Secom - Governo de Rondônia

Postar um comentário

0 Comentários