<

Brasão, Selo e Hino Nacional simbolizam a cidadania, a dignidade das pessoas, e o pluralismo político



Com a pandemia da Covid-19 em todo o País, nem sempre foi possível durante o ano de 2020 ouvir o Hino Nacional tocado e cantado em todo o Estado de Rondônia. Restrições legais impostas por decretos regulamentando o isolamento social preveniram as pessoas contra a doença do novo coronavírus.

Até as bandas musicais, sempre requisitadas, só voltam a abrilhantar solenidades neste mês de novembro, homenageando a Proclamação da República e o Dia da Bandeira na próxima quinta-feira (19).

Os eventos cívicos levam a população a se lembrar também de outros símbolos pátrios, embora o dia específico deles seja 18 de setembro.

O Selo Nacional [foto ao lado], por exemplo, foi criado em novembro de 1889, no governo de Marechal Deodoro da Fonseca. Baseia-se na esfera da Bandeira Nacional, representado por um círculo tendo em volta as palavras “República Federativa do Brasil”. É usado para autenticar documentos oficiais, atos de governo, diplomas e certificados expedidos por escolas oficiais ou reconhecidas.

O consultor legislativo de Cultura e Esportes do Senado Federal, Gabriel Firme, diz que os símbolos nacionais representam a nação brasileira e os fundamentos constitucionais: a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político.

“Esses símbolos exaltam os valores positivos de uma nação, e nação significa união de um povo com sentimento de pertencimento e sentimento de unidade entre si”, explica.

BRASÃO DE ARMAS NASCEU JUNTO COM A BANDEIRA

Já as Armas Nacionais, ou Brasão Nacional representam a glória, a honra e a nobreza do País e foram criadas na mesma data que a Bandeira Nacional.

O uso do símbolo é obrigatório nos edifícios dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e pelas Forças Armadas.

Esse brasão está presente em todos os prédios públicos, representando as características que compõem a República Federativa.

O brasão é um escudo azul, apoiado sobre uma estrela de cinco pontas, disposta na forma da constelação Cruzeiro do Sul, com uma espada em riste.

Ao seu redor, está uma coroa formada de um ramo de café frutificado e outro de fumo florido sobre um resplendor de ouro. O símbolo traz ainda a data da proclamação da República Federativa do Brasil, 15 de novembro de 1889.

HINO NACIONAL TEM 189 ANOS

E o Hino Brasileiro, composto por música de Francisco Manoel da Silva e poema de Joaquim Osório Duque Estrada, foi cantado pela primeira vez há 189 anos. Sua criação ocorreu em algum momento entre 1822 e 1831; já a letra atual só foi adotada em 1922. Tornou-se oficial durante as comemorações de 100 anos de independência, naquele ano.

Ainda conforme pesquisa do consultor do Senado, Gabriel Firme, ele é cantado em solenidades e eventos oficiais do Governo, aberturas de eventos cívicos, patrióticos, culturais, esportivos, escolares e religiosos. “O hino também é reproduzido durante o ritual de hasteamento da Bandeira Nacional”, reforça.

Além do hasteamento da Bandeira, o hino nacional deve ser cantado pelo menos uma vez por semana nas escolas públicas e particulares de todo país. O Dia do Hino Nacional é comemorado em 13 de abril.

Ouça a execução oficial do Hino Nacional





exto: Montezuma Cruz
Fotos: Arquivo Secom
Secom - Governo de Rondônia

Postar um comentário

0 Comentários