<

Reajuste no valor do óleo, arroz e carne bovina deixa cesta básica mais cara em Nova Brasilândia

 

O agronegócio foi o único setor que  não sofreu, em contrapartida, comparando aos outros setores ao  invés de ter prejuízos obteve crescimento, mesmo durante a pandemia.

Os agricultores e pecuaristas de Nova Brasilândia (RO), estão comemorando a valorização dos produtos agrícolas principalmente da carne bovina, arroz e óleo de soja no mercado brasileiro e também no exterior.


A região da zona da mata, no  qual o município de Nova Brasilândia está situado com seus 21.800 habitantes segundo o último Censo do IBGE é muito forte na produção dos dois produtos citados acima, principalmente a carne bovina.


Além disso, os preços altos nos produtos agrícolas aquecem o comércio e a economia nas empresas locais, gerando  empregos novos e conservando os antigos. No cenário atual, os outros setores começam a dar sinal de crescimento, assim como os outros produtos vindos do campo.


Os moradores reclamam dos altos preços dos três itens da cesta básica, entretanto foi graças ao agronegócio que o Brasil não parou totalmente. E ainda, impulsionou outros segmentos minimizando os prejuízos causados pelo surto do novo coronavírus em todo território Nacional Nos 52 municípios do estado de Rondônia, incluindo Nova Brasilândia.  

De acordo com um levantamento feito Programa Educação Tutorial (PET), da Universidade Federal de Rondônia (Unir), no último mês o preço da cesta básica passou de R$ 384,74 para 391,55. Na Capital do estado, Porto Velho, o reajuste chegou a 177% depois do mês de Março.

Foto: Pixabay/stevepb

 Fonte: Brasilândia Notícias

Postar um comentário

0 Comentários