<

Preço do tijolo dispara em Porto Velho e prejudica obras e reformas na cidade


Não são apenas os alimentos que tiveram seus preços disparados em Porto Velho desde o início da pandemia, o setor de construção civil também vem sofrendo com o valor cobrado pelos tijolos em olarias e lojas do ramo. 

Até o mês de abril, o milheiro de tijolo custava uma média entre R$ 380 à R$ 450. Porém, atualmente está sendo comercializado na capital de Rondônia por um valor aproximado entre R$ 600 e R$ 700.

Entre os fatores diretos para o aumento do preço do tijolo e outras matérias primas como telhas e ferro, está o período do verão amazônico e o impacto econômico pelo fechamento de atividades no momento mais intenso da pandemia. 

De acordo com o empresário da construção civil, Fábio Freitas, proprietário da empresa Sphera Engenharia, a demanda atual é muito grande e as fábricas estão sem mão de obra, gerando a escassez de matéria prima para a fabricação de diversos produtos. 

“Eu estou esperando há mais de 60 dias chegar um pedido de telhas e a fábrica afirmou que não possui matéria prima, está tudo escasso, quem não se preparou sentiu o impacto de forma mais severa”, afirmou Fábio Freitas. 

Muitas olarias tiveram que demitir funcionários e ao retornarem às atividades acabaram ficando com uma demanda acima do seu estoque e da capacidade de produção, elevando o preço. 

O fechamento de muitas lojas do ramo e a diminuição da concorrência também são pontos que levaram para a subida no preço da matéria prima em todo o estado de Rondônia.

Foto: Freepik

Fonte: Rondoniagora

Postar um comentário

0 Comentários