<

Ponte do rio Corgão é interditada para reforma na RO-484, em Santa Luzia do Oeste


Porto Velho, RO - A 5ª Residência Regional do Departamento de Estradas de Rodagem e Transporte (DER) iniciou na quarta-feira (23), os trabalhos de reconstrução da ponte de madeira sobre o rio Corgão, no quilômetro 17 da rodovia 484 (P-18), que interliga as rodovias 370 e 491 em Santa Luzia do Oeste.

Durante o período de reconstrução da estrutura da ponte, a rodovia 484, neste trecho, estará interditada por sete dias, até a próxima terça-feira (29).

De acordo com residente regional do DER, a ponte possui uma extensão de 20 metros e toda a estrutura está sendo reconstruída, substituindo 24 quadrados e todas as pranchas e pista da ponte de madeira.

orto Velho, RO - A 5ª Residência Regional do Departamento de Estradas de Rodagem e Transporte (DER) iniciou na quarta-feira (23), os trabalhos de reconstrução da ponte de madeira sobre o rio Corgão, no quilômetro 17 da rodovia 484 (P-18), que interliga as rodovias 370 e 491 em Santa Luzia do Oeste.

Durante o período de reconstrução da estrutura da ponte, a rodovia 484, neste trecho, estará interditada por sete dias, até a próxima terça-feira (29).

De acordo com residente regional do DER, a ponte possui uma extensão de 20 metros e toda a estrutura está sendo reconstruída, substituindo 24 quadrados e todas as pranchas e pista da ponte de madeira.

orto Velho, RO - A 5ª Residência Regional do Departamento de Estradas de Rodagem e Transporte (DER) iniciou na quarta-feira (23), os trabalhos de reconstrução da ponte de madeira sobre o rio Corgão, no quilômetro 17 da rodovia 484 (P-18), que interliga as rodovias 370 e 491 em Santa Luzia do Oeste.

Durante o período de reconstrução da estrutura da ponte, a rodovia 484, neste trecho, estará interditada por sete dias, até a próxima terça-feira (29).

De acordo com residente regional do DER, a ponte possui uma extensão de 20 metros e toda a estrutura está sendo reconstruída, substituindo 24 quadrados e todas as pranchas e pista da ponte de madeira.


Fonte: secom 

Postar um comentário

0 Comentários