<

Participante de teste da vacina de Oxford que teve reação adversa é mulher e não faz parte do grupo placebo



Funcionária na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) onde vacina Oxford/AstraZeneca contra Covid-19 está sendo testada


O participante dos testes clínicos da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca contra a Covid-19 que desenvolveu uma reação adversa grave é uma mulher e de fato recebeu o medicamento, ou seja, não fazia parte do grupo placebo.

As informações foram divulgadas pelo CEO da farmacêutica, Pascal Soriot, em conferência privada com investidores, segundo revelou o site Stat News, especializado em notícias de ciência e saúde.

Soriot disse ainda que a paciente desenvolveu um caso neurológico conhecido como mielite transversa, mas afirmou que a mulher já recebeu alta e passa bem.


A assessoria de imprensa da AstraZeneca confirmou ao jornal Estado de S. Paulo que a paciente não fazia parte do grupo placebo.

O Stat News informou que já é a segunda vez que os testes da vacina de Oxford são suspensos. Da primeira vez, um paciente apresentou esclerose múltipla, mas foi verificado que a causa da doença não tinha relação com o imunizante.



Fonte: Brasil 247/(Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)

Postar um comentário

0 Comentários