<

Cientistas russos encontram nova forma de tratamento para casos graves de covid-19


País europeu iniciará a produção da segunda vacina contra a Covid-19 


Sputnik – Uma equipe de cientistas russos sugeriu tratar os pacientes gravemente afetados pelo coronavírus SARS-Cov-2 da mesma maneira que são tratados alguns casos de intoxicação.

De acordo com os especialistas do Instituto de Pesquisa de Medicina de Emergência Dzhanelidze, de São Petersburgo, a COVID-19 pode ser tratada de maneira similar aos casos de intoxicação por hemotoxinas, substâncias que destroem os glóbulos vermelhos do sangue, informou o jornal russo Izvestia.

Uma hipótese citada anteriormente por cientistas chineses sugere que o coronavírus tem um efeito hemotóxico. Segundo a teoria, o vírus afeta as células do sistema imunológico, deslocando os átomos de ferro bivalente das moléculas de hemoglobina, detalhou a mídia.

Estes átomos de ferro livres ingressam na corrente sanguínea, provocando danos nas paredes dos vasos sanguíneos e dando início à formação de coágulos. Este processo conduz a danos múltiplos nos órgãos.

Processos patológicos similares podem ser observados em pacientes com intoxicações agudas com venenos hemolíticos, os quais provocam a destruição das hemácias, células que transportam o oxigênio, o que também faz com que o ferro livre ingresse no sangue.

Um excesso de ferro livre provoca uma diminuição do teor de oxigênio nos tecidos, algo que é observado em pacientes com COVID-19 em estado crítico. Por isso, os cientistas sugerem que seja possível tratar a infecção da mesma forma que é tratado o envenenamento com hemotoxinas.

De acordo com especialistas consultados pelo jornal Izvestia, a terapia para limpar o corpo do ferro livre pode ser incluída no conjunto de medidas para tratar os doentes de COVID-19, mas não pode ser usada como um tratamento independente.

Por outro lado, levando em consideração que a Organização Mundial da Saúde prevê um aumento na mortalidade da pandemia de coronavírus, qualquer método que possa salvar a vida dos pacientes deve ser estudado e experimentado, afirmam os especialistas.


Fonte: Brasil 247/(Foto: Sputnik / Andrei Kataev)

Postar um comentário

0 Comentários