<

MOVIMENTO 65 – Samuel Costa visita comunidades carentes e reforça o compromisso de viabilizar plano de governo que atenda os anseios da população.





Porto Velho, RO - Principal nome do PCdoB à sucessão da prefeitura de Porto Velho, o pré-candidato Samuel Costa, tem aproveitado o período pré-eleitoral para cumprir agenda de visitas em diversos bairros da capital. Desta vez, o jovem professor e jornalista, preocupado com as inércias deixadas pelas administrações anteriores e, a convite do pré-candidato a vereador Dr. Leony Fabiano (PCdoB), esteve na última quinta-feira (23) no bairro Socialista, ocasião em que ouviu da população o descaso e a falta de políticas públicas voltadas a atender quem, de fato, necessita de atenção. Reforçou o compromisso de olhar com carinho e dedicação pela região e buscar qualidade de vida e bem estar social a todos os portovelhenses.

De acordo com a assessoria de Samuel, as visitas seriam uma forma de colher críticas e sugestões a fim de traçar seus objetivos de campanha. “Como sempre tem feito em suas agendas de trabalho, o jovem abraçado pelo movimento 65 segue presente nas ruas, nas comunidades carentes, nas unidades de saúde falidas colhendo informações necessárias para não seguir exemplos de prefeitos anteriores que esqueceram de quem mais precisa”. Em um dos compromissos de Samuel, afirmou: “Quem vive em função de voto tem vida curta. Nosso desejo é trabalhar pensando nas necessidades das pessoas”.

Samuel Costa ouviu a demanda dos moradores do bairro Socialista e adjacências que reclamam da falta de saneamento básico, regulamentação fundiária e entrega de casas nos conjuntos habitacionais. "Reforçamos o nosso compromisso de viabilizar um plano de governo que atenda o povo sem distinção, promovendo qualidade de vida e bem estar para toda a população”, destacou.


Samuel Costa é professor e jornalista e tem se pautado em promover um diálogo franco e aberto com a população, mostrando aos grandes grupos políticos que é possível fazer uma pré-candidatura forte e propositiva com poucos recursos humanos e financeiros.



Fonte: JHNotícias

Postar um comentário

0 Comentários