<

Falta de kits para exames pode afetar resultados



Porto Velho, RO - O Governo de Rondônia não dispõe mais de kits de extração PCR, que possibilitam o diagnóstico preciso de coronavírus. Isso aconteceu porque somente quanto o material estava acabando na Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) os técnicos decidiram acionar a empresa para pedir um novo lote. A resposta que receberam é que não havia mais produto disponível.

Quando a rede pública dispunha dos kits era possível obter os resultados dos exames em dois dias, mas a partir de agora é preciso encaminhar material para ser examinado na Fiocruz, no Rio de Janeiro. Assim, os diagnósticos precisos devem demorar pelo menos oito dias para chegar a Rondônia.

Os primeiros kits de extração demoraram a chegar em Rondônia justamente devido ao produto estar indisponível no mercado. Quando chegaram, a rede pública chegou a realizar mil testes em um único dia. No final da última semana, quando o Governo não conseguiu comprar mais, começou a racionar os exames. Na última sexta-feira (3) só havia 400 kits.

O assunto só veio à tona na última terça-feira (7). No release da Assembleia Legislativa encaminhado à imprensa o presidente da Casa, Laerte Gomes (PSDB), agradece ao Governo pela contratação de leitos de UTI em Ji-Paraná. Depois disso o parlamentar explica que não concorda com o fechamento do comércio, e depois revela que os kits acabaram.

Em seu pronunciamento, o presidente da Assembleia afirma que o ocorrido na Sesau “é a mesma coisa que o dono da empresa de aviação deixar faltar querosene”. Outros deputados disseram que a situação é preocupante, principalmente devido às medidas restritivas impostas pelo Governo em razão do aumento do número de casos.

De acordo com pronunciamento de parlamentares, sem os kits de extração os técnicos do Governo vão demorar muito para saber se o número de casos aumentou ou diminuiu em Rondônia, porque precisam esperar pelo resultado dos exames. Deputados alegam que diante disso será difícil decidir corretamente sobre medidas restritivas.

Postar um comentário

0 Comentários