<

Ministério da Saúde faz aquisição de 3,3 mil respiradores de produção nacional



Porto Velho, RO - O Ministério da Saúde adquiriu mais 3,3 mil respiradores para o combate à Covid-19 no Brasil. O contrato foi assinado nesta segunda-feira (20), com empresa brasileira. Com a nova aquisição o Sistema Único de Saúde (SUS), conta agora com 14.100 respiradores e ventiladores pulmonares para enfrentar a pandemia do novo coronavírus. Os equipamentos são utilizados em pacientes com situação grave da doença, ou seja, pacientes que não conseguem respirar sozinhos e precisam do equipamento para auxiliar na respiração. De acordo com o ministro da Saúde, Nelson Teich, os primeiros aparelhos devem ser entregues em maio deste ano.

“Além dessa parte do diagnóstico, a gente tem também a parte de tratamento, de cuidado. Porque a gente tem hoje a compra de respiradores. Hoje foram comprados 3.300 respiradores. Desses 3.300, 1.150 vão ser entregues em maio. A compra dos aparelhos representou um investimento de R$ 78 milhões por parte do ministério. Essa combinação do diagnóstico, do tratamento e da preparação para a saída do distanciamento social, isso faz parte da estratégia da abordagem da Covid-19”.


Este é o terceiro contrato de compra que o Ministério da Saúde assina com empresas nacionais para a fabricação dos aparelhos de ventilação e respiratórios. Ao todo já foram investidos R$ 658, 5 milhões. Segundo o ministro o país está trabalhando com três pontos fundamentais para reduzir os impactos da Covid-19.

“Com isso a gente está atuando em três braços que são fundamentais. Um entender melhor a doença, fazer o diagnóstico, entender a evolução. A segunda é preparar a infraestrutura para o tratamento nesse tempo que a gente está afastado e que vai ser usado para preparar para o cuidado e o terceiro que a gente vai com essa preparação desenhar esse programa de saída progressiva, estruturada e planejada do distanciamento social”.

As aquisições dos aparelhos respiratórios é mais uma medida do Ministério da Saúde para garantir assistência a pacientes graves atendidos na rede pública de saúde.

Postar um comentário

0 Comentários